P.O. BOX 116 / CP 2874 - 908
MONTIJO - PORTUGAL

Entrada
Origem - História
Percurso da CB
Certificado de Registo
Rádios homologados
Material Disponivel

Dicas sobre :

Rádios
Serviço Rádio CB
Antenas
Fontes de alimentação
Cabo coaxial
Considerações finais

Abreviaturas Cebeístas
Códigos "Q" "RST" e "N.º"
Códigos "10"

Guia Prático :

Características Emissores-Receptores CB
Potência de emissão
Tipos de modulação
Instrumentos de regulação
Os acessórios
Como instalar um rádio CB em móvel

Canais e Frequências
Canais gerais
Biografia do Operador
Linguagem da CB - Termos

Esquemas :

Acoplador de antena
Micro com ganho
Roger beep
Antena > Quadra cúbica
Antena > Passo em frente

Canais Específicos
Legislação DL 47/2000
Legislação GERAL

Normas sobre DX :

Nota breve
Cartilha DX´ista
Software para saber propagação
Alfabeto fonético
Código Morse
Cuidados indispensáveis
QSL´s

Avarias mais comuns
O Tráfego CB - Cartilha
A História de uma QSL
Oração do Cebeísta
Publicações úteis - I
Publicações úteis - II

Contacto

Click for Montijo, Portugal Forecast
CIDADE - MONTIJO
 
GUIA PRÁTICO

Como instalar um rádio CB em móvel :

INTRODUÇÃO
Se os aparelhos fixos não necessitam de operações de instalação especiais, os " transceivers " móveis exigem por sua vez uma montagem especial pois são destinados a serem usados num veículo, num barco ou até em moto.
Os aparelhos móveis e o respectivo microfone são fornecidos com os acessórios necessários à sua fixação: uma placa de fixação e parafusos para o aparelho, o micro e o cordão de alimentação munido de um fusível. O cabo coaxial é igualmente fornecido com a antena, sendo necessário obter uma ficha coaxial " PL ", destinada a ser ligada ao aparelho e que será soldada ao cabo coaxial.
A instalação de um emissor-receptor móvel comporta duas fases : a escolha de uma localização para o aparelho e a ligação deste ao circuito eléctrico da viatura .

FIXAÇÃO
Num automóvel, a escolha da localização mostrará ser mais ou menos delicada em função da quantidade de objectos que rodeiam o aparelho e do espaço disponível.
A montagem deverá permitir uma fácil manipulação dos comandos, uma boa leitura do " S - meter - " e da indicação numérica dos canais, uma desmontagem fácil e rápida. Além disso, será muito importante que o aparelho não seja em caso algum susceptível de afectar a condução ou de ser perigoso em caso de choque.
Na maioria dos casos, os amadores escolhem para localização do aparelho a parte inferior do " tablier " do carro ( não muito perto da saída de aquecimento ), eventualmente ao longo da consola auto-rádio ou ainda na caixa de luvas. Neste último caso, o alto-falante ( situado abaixo do aparelho ) poderá ser um pouco abafado.
A fixação consiste, em primeiro lugar, em abrir orifícios destinados a receber os parafusos que segurarão a placa de fixação. Esta operação será realizada de preferência com o auxílio de um berbequim eléctrico.
Atenção ! Quando se abrem orifícios, é absolutamente necessário verificar se não se deteriora qualquer fio eléctrico ou outro elemento situado sob o " tablier ".
Depois de a placa de fixação ser montada, é possível fixar a ela o emissor-receptor utilizando os parafusos especialmente previstos para o efeito. Quanto ao microfone, deve-se também colocar o seu engate num local acessível.
LIGAÇÃO
Aos rádios CB chega-lhes a alimentação de 12,0 V a fim de poderem ser usados em automóveis. O cordão de alimentação fornecido com o aparelho compõe-se de dois fios juntos: um de cor negra ( pólo negativo ) para ligação à massa, e outro de cor vermelha ( pólo positivo ), munido de um fusível. O cordão pode ser ligado aos fios de alimentação da viatura que são destinados, em certos modelos, ao auto-rádio. Neste caso, procurar-se-á determinar sem erro o modo de ligar o aparelho em função das cores dos fios. Uma outra solução consiste em fixar o fio negro ( pólo negativo ) directamente à massa apertando-o por exemplo sob um parafuso ou qualquer outra superfície metálica e ligando o fio vermelho ao isqueiro ou directamente ao pólo positivo da bateria. Esta última solução oferece a vantagem de eliminar um certo número de parasitas provenientes do motor, da ventilação ou dos limpa-vidros da viatura, mas não eliminará todos estes problemas porque a maior parte dos parasitas são captados pela antena.
Atenção ! A ligação do cordão de alimentação ao circuito eléctrico de um veículo deve ser realizada sem erros de polaridade; uma inversão pode ser fatal ao aparelho. Em caso de dúvida deve pedir conselho a um electricista de automóveis.
A última precaução a tomar consiste em " arrumar " cuidadosamente o cordão de alimentação, assim como o cabo coaxial, a fim de que o condutor não seja afectado. Para evitar este inconveniente que pode tornar-se perigoso, far-se-ão passar os fios sob o tapete da viatura.
SEGURANÇA
Um dos aspectos importantes que interessa considerar é a possibilidade de desmontagem do " transceiver " móvel. É de facto aconselhável desmontar todos os dias o aparelho. Se bem que um pouco fastidioso a longo prazo, esta operação evitará o roubo do material, pois estes equipamentos são já objecto de cobiça, ao mesmo título que os auto-rádios. Os exemplos não faltam. A este título, os novos emissores-receptores, cujo conjunto de comandos se encontra incluido no microfone, respondem perfeitamente a estas exigências. O único inconveniente é o seu preço.
REGULAÇÃO DA ANTENA
Como se efectua na prática o ajuste de uma antena móvel ?
A adaptação das impedâncias e suas características implica o recurso a um pequeno aparelho de medida: o medidor ROE. Se alguns aparelhos CB se encontram equipados com um medidor deste tipo montado em série, não é isto que acontece na maioria daqueles. A compra de um instrumento deste tipo representa normalmente um óptimo investimento na medida em que a verificação periódica da ROE é gradualmente recomendada pelos especialistas. Faço notar que certos aparelhos, chamados multímetros CB, são capazes de avaliar não apenas a relação de ondas estacionárias mas também a frequência e a potência de emissão de um emissor-receptor. O medidor de ROE apresenta-se como uma caixa rectangular de fracas dimensões, contendo :
- Duas tomadas " PL " em cada extremidade;
- um quadrante graduado, com uma zona vermelha;
- um potenciômetro;
- um comutador de duas posições ( FWD e REF ).
O medidor ROE liga-se à antena através da tomada PL " indicada com a instrução " ANT ", e ao emissor-receptor pela tomada indicada " TRANS " graças a um cabo coaxial vendido separadamente. Em função da altura da haste regulável e das indicações correspondentes lidas no medidor de ROE, procura-se obter uma adaptação óptima das impedâncias para o conjunto das frequências ( canais ) cobertos pelo aparelho CB.
O método a plicar é o seguinte :
- colocar o comutador em posição " FWD " ( forward );
- carregar no contacto do microfone a fim de fornecer a energia HF e aplicá-la à antena, regulando simultaneamente o potenciómetro de modo progressivo a fim de colocar o ponteiro do quadrante na extremidade da zona vermelha, no ponto indicado " SET " ou " CAL ".
- ficandio o aparelho calibrado deste modo, colocar o comutador em posição " REF " ( reflected ) sem largar o contacto do microfone e ler a relação de ondas estacionárias no quadrante.
A operação de medida deverá primeiramente ter lugar no canal mais elevado, em seguida no canal médio e finalmente no canal mais baixo. Se o valor da ROE é maior no canal mais elevado, diminui-se a altura da haste regulável até que a dimensão desta permita aproximar-nos ao máximo do valor
1 nos três canais. Convém de facto efectuar um compromisso que permita utilizar o emissor-receptor em todas as frequências disponíveis sem que a percentagem de perdas seja perigosa para os transistores.
De onde pode provir uma relação de ondas estacionárias excessiva ?
- De uma antena deficiente: certos " quartos de onda " móveis são previstos para cobrir apenas uma vintena de canais e produzem uma ROE elevada quando são utilizados nos canais superiores ( o que é proibido ! ). Existem igualmente " caixas de sintonia ", permitindo adaptar o material em função da frequência de emissão.
- De uma deterioração da antena na sequência de um choque.
- De uma má junção entre a antena e o cabo coaxial ao nível da tomada " PL ".
- De uma impedância imprópria do cabo coaxial ( esta deve ser sempre de 50 ohms ).
- De um mau contacto entre a base da antena e o plano de massa.
Uma vez realizada a regulação óptima, a antena poderá ser directamente ligada ao aparelho ( apertando a ficha " PL " a fundo ) que será assim utilizada de modo a aproveitar da melhor maneira as suas possibilidades e sem riscos. Finalmente, uma verificação regular da antena será sempre bem vinda.
Atenção ! Aquando da primeira regulação a antena com o medidor de ROE, deve emitir durante o mínimo tempo possível a fim de não colocar os transístores de saída em perigo e para não interferir num contacto em curso.
Aumentar ou diminuir a antena ?
Canal Inferior - Canal Médio - Canal Superior - Antena
1º. caso - ROE elevada - ROE média - ROE fraca > Aumentar
2º. caso - ROE fraca - ROE média - ROE elevada > Diminuir
3º. caso - ROE média - ROE fraca - ROE média > Boa regulação